quarta-feira, 13 de julho de 2011

Precursores da Máquina de Costurar (Publicação 2)

 

Nascido em Abresle, no Reno, Barthélémy Thimmonier era um modesto mecânico e alfaiate quando inventou o primeiro aparelho para coser, imitando o gesto das bordadeiras dos montes de Lyon. Para entender os princípios de mecânica, associou-se a um professor da Escola de Mineiros de Saint-Etienne que elaborou os planos da sua invenção, cuja patente foi registrada em 1830.

Com a participação de sócios capitalistas parisienses, abriu o primeiro atelier de confecção do mundo, onde 80 rudimentares máquinas cosiam seis vezes mais depressa que à mão.

Proj Thimonnier Projeto patenteado por Thimonnier

No final do mesmo ano, o exército francês, em campanha na Argélia, encomendou uniformes para os soldados em combate. Thimonnier instalou então sua empresa em Paris. Porém em 20 de janeiro de 1831,  duzentos costureiros, que temiam pelos seus postos de trabalho, saquearam o prédio e destruíram as máquinas.

Era a época da Revolução de Julho e das Três Gloriosas, as mulheres e crianças eram exploradas e as máquinas ameaçavam os operários alfaiates numa miséria ainda maior pela suposta decorrente mecanização.

Em 1832, Thimonnier fabricou um instrumento de costura para fazer pespontos e tentou a conquista comercial em Paris. Porém, novos tumultos explodiram, e foi mais uma vez fracassado. Em 21 de Julho de 1845, com uma nova patente, tentou novamente e, pela primeira vez, a imprensa francesa lhe foi favorável.

Thimonnier Journal

A máquina “cose e borda” qualificada de pequena maravilha numa publicação de 19 de agosto de 1845, permitia realizar 200 pontos por minuto e podia alterar o tamanho deles através de um simples parafuso.

Na revolução de 1848, caiu a monarquia dos Bourbon com a proclamação do Segunda República, Thimonnier foi expatriado para Inglaterra, onde tentou uma patente inglesa. No entanto, outros inventores, na Europa e nos Estados Unidos, haviam  desenvolvido as suas descobertas. Máq Thimonier

Primeira máquina de Thimonnier

Dificuldades com o sócio inglês, obrigaram Thimonnier a regressar para a França, onde outras desilusões o esperavam. A França estava recuperando-se de outro golpe de Estado. E, em 1851 a máquina que deveria estar presente na Exposição Universal de Londres não foi entregue a tempo.  Enquanto o seu filho mais velho partia para a guerra da Criméia, Thimonnier era novamente ameaçado pelos alfaiates e também pelos seus concorrentes.

mulher costurando

Ilustração em 1845

Em 1855 abandonou o frágil sistema de costura por “ponto de cadeia”, com único fio lançado no tecido por uma agulha (tipo crochet com duplo arco, na parte superior e na inferior). Consagrou-se então ao ponto com dois fios, obtido graças a uma agulha de fazer rede. Contudo, a sua nova máquina também não ficou pronta a tempo da seguinte Exposição Universal de Paris.

máq Thimonnier

Segunda máquina de Thimonnier

Decepcionado, Thimonnier voltou ao aperfeiçoamento do ponto de cadeia, porém sem sucesso, com perigo de descoser.

Depois de muitas malogradas tentativas, morreu na miséria, em 1859. Por ironia do destino, um monumento foi-Ihe dedicado em Lyon, na Place de Abondance.

 

Outros pioneiros

Outros inventores também conheceram dissabores. Em 1735, Charles Weisenthal, alfaiate alemão, residente na Inglaterra, obteve uma patente para uma rudimentar máquina dotada de uma agulha de duas pontas munidas de um buraco no meio. O curioso instrumento de coser não teve sucesso.

Em 1790, Thomas Saint,  marceneiro inglês realizou um protótipo  para acolchoar e fazer costuras em sapatos, botas, pantufas e semelhantes. Colocada em cima de uma armação de madeira, esta máquina funcionava com a ajuda de uma manivela. Uma sovela (semelhante a uma pequena lança) perfurava o tecido e, através desse orifício, passava uma agulha munida de um buraco no meio. Todavia, este engenho, demasiado arcaico, não possuía nenhuma vantagem, a não ser a de conduzir o fio.

No mesmo ano, o alemão Balthasar Krems, inventou uma agulha com o buraco junto à ponta. Embora rejeitada, a agulha perpetuou seu desenho até hoje.

Em 1807, Joseph Madersperger, mestre alfaiate austríaco, construiu uma máquina dotada de uma agulha com duas pontas e orifício no centro. No entanto, esta podia utilizar apenas quarenta e cinco centímetros de fio de cada vez.   Oito anos após, desenvolveu um novo modelo, com duas agulhas e um terceiro fio, alternadamente alçado pelos anteriores.  Porém, dificuldades financeiras obrigaram-no a abandonar as suas pesquisas.

O estadunidense Walter Hunt, empregou pela primeira vez, o princípio da lançadeira (naveta) em 1834.  

Elias Howe, inventor, desenvolveu uma máquina mais satisfatória, com agulha horizontal, porém foi mal sucedido ao promovê-la.

Elias Howe II

Elias Howe, sua máquina em 1846

Howe mudou-se para a Inglaterra e vendeu lá seu projeto para William Thomas, por 250 libras. Desgostoso, empobrecido e insatisfeito, anos após voltou aos Estados Unidos e surpreendeu-se com o sucesso do seu projeto executado ilegalmente por outros fabricantes.

Elias Howe III

Após muitas demandas judiciais, em 1854, conseguiu recuperar suas patentes e receber imensas indenizações, incluindo U$15.000,00 de Isaac Singer.  Em 1867, passou a ser um dos homens mais ricos do mundo.

maq cost howe 26

James Edward Allen Gibbs era um agricultor em em Rockbridge County, Virgínia. Interessado em mecânica, em 1854 desenvolveu uma rudimentar máquina em madeira, com inovador ponto em cadeia (ponto anterior é alçado pelo posterior)

 

Willcox Gibbs maq madeira  Wilcox & Gibbs I

A máquina e o sistema de ponto em cadeia

Gibbs associou-se com Charles Willcox e patentearam o sistema, incluindo outras soluções (tensão automática da linha, alimentação, remoção de torções e até redução de ruído). Suas máquinas Willcox & Gibbs constituiram sucesso por décadas.

Willcox Gibbs II

MCost peq 

   Willcox & Gibs 1857 (acervo do autor) 

A partir de 1851, os fabricantes ingleses e alemães acotovelavam-se para ganhar um lugar no próspero mercado. Marcas germânicas como Adam-Opel, Universam e Saxonia surgiram e fábricas inglesas como Jones, Starter & Company impuseram-se. Procuraram soluções para tornar o fio mais resistente e diversificar os tipos de ponto, enquanto que o sistema de lançadeira se impôs.

Fábr alemã

Junker RUh 

Propaganda da época de máquina Junker acervada pelo autor

Na França, desde 1853, marcas como Journaux-Leblond e outras, criavam modelos de máquinas, embora rudimentares, a preços atraentes.

Adam Opel (Rüsselsheim 1837 – 1895) trabalhou para Journaux & Leblond, fabricante de máquinas de costurar. Em 1862, começou a construí-las por conta própria em sua pequena e artesanal fábrica.

No ano de 1868, casou com Sophie Marie Scheller. O dote da noiva permitiu ampliar sua fábrica e produzir a "Sophia", em honra à esposa, sucesso de vendas e exportação. Em 1884 construiu 15 mil máquinas de costurar e, no ano seguinte, Opel iniciou também a construção bicicletas.

Seus filhos continuaram a empresa e, em 1899, produziram o primeiro automóvel Opel.

Máq Opel

Opel 1884

Em 1867, a Peugeot entra na corrida e não cessou mais sua atividade no domínio da máquina de costurar até 1936, para se lançar na construção de automóveis. Dentre tantos outros equipamentos mecânicos, a Peugeot produziu também moedores manuais de grãos (o autor resgatou um exemplar, no interior do Rio Grande do Sul, fabricado no século XIX  e ainda em bom funcionamento).

Máq Peugeot

Isaac Merrit Singer, estadunidense e filho de imigrante judeu alemão, começou a carreira na comédia teatral sob o pseudônimo de With. Em 1850, convertido à mecânica, agrupando soluções existentes e adquirindo sistemas já patenteados, iniciou a produção de máquinas de costurar.

Isaac Singer  15

Isaac Merrit Singer

Consciente de suas qualidades de orador, Singer iniciou-se no sistema de venda de “porta a porta” fazendo também demonstrações em feiras e circos. Para conseguir mais atenção, instalava-se no passeio e costurava com a máquina. Os transeuntes apinhavam-se para o ver, artista que era.

A primeira máquina, batizada de “Jenny Lind” em honra a uma cantora sueca, foi um sucesso. Em 1858 produziu a “Sauterelle” e depois o modelo “A” (o autor resgatou e mantem no acervo, em ótimo estado de conservação), com revolucionária lançadeira transversal.   Singer foi o precursor da locação  com opção de compra (leasing), onde o adquirente pagava o aluguel da máquina até atingir o seu valor total, quando se tornava proprietário.

livro I

Declaração da Sra. Wm. Allison M., Statesville, Carolina do Norte, em 1911: “…possuo e  opero a Singer desde 1860, já costurei mais de cem milhas e ainda está boa”

Singer democratizou a máquina de costurar e tornou-se o líder mundial dentre os 124 fabricantes que já partilhavam entre si o mercado. Em 1880, ele construiu 3 milhões de exemplares de diferentes modelos. E no ano de 1891, sua produção foi de 10 milhões de máquinas.

Nenhum comentário:

Postar um comentário